E foi assim

Eu sonhei que terminaríamos e terminamos. Aliás: terminei.

Sabe, há certa paz em terminar. Um alívio, um gosto de azul clarinho, um sentimento de quem tem asa.  Terminar é algo que demanda coragem. Não que ficar e tentar, de novo, fazer dar certo, prescinda de coragem. Mas olhe, pra ir embora há que ter um bocado a mais, viu. E fé. Principalmente fé.

Há também certo prazer em terminar, principalmente quando a outra opção é “ser terminada”. Lembrei do nosso comecinho, quando disse que só havia “sido terminada” uma vez, e você disse que sempre havia sido você quem terminava, no seu histórico de relacionamentos. E então pensei: “puxa, alguém precisava terminar com você”. Não que desejasse simplesmente tua dor, mas sei o quanto a dor que senti quando fui “terminada” me fez crescer, a longo prazo – passada a tristeza e a saudade, obviamente -, e adoraria que você crescesse esse tanto (pra muito além do que já cresceu, incompativelmente à sua idade). Como eu poderia adivinhar que seria eu a responsável por tão árdua tarefa!

Fico feliz e triste por ter sido eu esta pessoa. Triste porque, oras, é claro que gostaria que tivéssemos nos unido em handfasting; de nos ver criando Gael e Clara com uma cabeça menos preconceituosa que a maioria das pessoas no mundo; de te ver entrar pra faculdade; de dançar contigo nas nossas formaturas; de termos nosso apê do nosso jeitinho; etc etc etc. Mas feliz, afinal, um dia talvez você pense em mim com o mesmo carinho que eu penso em alguém que me causou muita dor quando finalmente decidiu ir mesmo embora.

Vai ser difícil pra mim. Queria que você soubesse disso mas não te conto, porque não quero fraquejar, e nem que você fraqueje. O teu beijo, teu colo, teu sorriso, teu violão ainda ecoam na minha memória, mais nítidos que a realidade à minha volta – mesmo porque uma ou outra lágrima me sobe aos olhos enquanto escrevo.

Curioso que eu nunca tenha te escrito prosas. Fiz uma canção inteira, um tiquinho de outra canção (que você nunca nem chegou a conhecer), umas poucas cartinhas e bilhetes, muita prosa trocada mas nenhuma por escrito. E termino a primeira e única que faço com: acho que não era pra ser. Gostaria de um título e um final melhor (para a nossa história, inclusive), mas é o que tem pra hoje.

Fica bem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s