p/ 2016

  1. Melhorar minha saúde/minha relação com meu corpo:

A) Mexer meu corpo – minha ideia é me matricular na yoga&meditação e no pole dance, de modo que eu consiga desenvolver dois extremos opostos: a espiritualidade e a calma vivaz que provém dela, e a sensualidade, a sexualidade, a velocidade e o desgaste, entre outras coisinhas mal resolvidas desde tanto tempo entre eu e meu corpo. PORÉM, se os horários ou os dinheiros não permitirem, sempre existem possibilidades. O importante é mexer, nem que seja na base da bicicleta e da saudação ao sol, sempre com comprometimento e regularidade.

B) Melhorar minha alimentação – em 2015 fiz alguns avanços nesse sentido, e a cada dia que passa compreendo melhor que tudo na vida é processual, que grandes mudanças levam tempo pra acontecer. Pretendo seguir nessa trilha desapressada em 2016, me aventurando lentamente em sabores e texturas. Vai ser interessante se, conforme planejo, eu conseguir registrar esse caminho, pra ter consciência dos pequenos-grandes avanços que terei feito daqui a 12 meses.

C) Aprender a cozinhar o básico – foi uma das coisas que me impulsionou a sair de casa: ser independente. De fato, me emancipei da dependência da minha mãe cozinhar pra mim, mas isso de modo algum significou que obtive algum progresso individual considerável nesse sentido. Agora as coisas já se aquietaram um pouco, e acho que posso investir no básico de panelas etc. pra mergulhar um pouquinho nessa bruxaria que é preparar o próprio alimento.

2. Produzir arte – 2015 foi um ano em que produzi pouca arte (embora tenha produzido bastante artesanato). Não vou fechar aqui o objetivo de concluir a peça, nem de ensaiar um projeto nem gravar um ep, nem publicar um livro. Meu anseio é, simplesmente, dar mais atenção ao projeto que me der vontade realizar.

3. Me relacionar mais com as pessoas que amo. Durante o último ano me decepcionei muito com muitas pessoas – talvez por exigir demais delas – e acabei me afastando conscientemente de todos os meus amigos. Alguns nem sequer faço questão de voltar a me relacionar, pois se tornaram (ou sempre foram?) pessoas com uma mentalidade tão diferente da minha a ponto de a convivência se tornar impossível. Já não há qualquer afinidade, em certos casos. Em outros casos, no entanto, são pessoas tão incríveis apesar de seus defeitinhos que eu gostaria mesmo de voltar a ter contato, e aprofundar esse contato.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s