me pego me perguntando o que eu poderia ter feito pra que durasse. ou me dizendo alguns “mas você também!” brigões. mas a verdade é que não tem fórmula. é duro porque não tem. nem pra durar, nem pra acabar, nem pra parar de doer. não tem tempo certo. não tem “tudo bem, na próxima…

mais um dia-travessia depois da folga marítmo-poética de ontem. eu aqui me questionando se será tudo bem tomar o fitoterápico de passiflora junto do floral. tu disse que sentia falta da minha companhia, da minha pessoa, da minha amizade. eu não sei se sinto de você. não é a tua personalidade que deixa esse buraco…

despertar

quero limpar dos olhos o que me embaça a visão antes de despertar, mas sem automatizações. quero limpar dos meus olhos o julgamento sobre o corpo do outro, que me impede de ser livre em relação ao meu. quero perdoar os outros pelas mágoas que me causaram, pois entendo que só assim posso aprender a…

estive pensando sobre o quanto eu me valorizo a partir de parâmetros externos e sobre como isso é equivocado. sinto que eu não deveria “ser” as coisas que fiz de forma satisfatória (sob a ótica de quem?). eu sou, e ponto. e está sido. me pego pensando no que vou estar fazendo em 2018. oras,…

tolinha… eu adoraria compartilhar minha amizade com você. minhas risadas. minhas angústias. mas não dá enquanto muitas das minhas angústias ainda estiverem vinculadas à sua ausência. digo, talvez nem estejam vinculadas, mas eu racionalizei esse vínculo, e se sou eu que crio minha existência… bobeira tua ficar achando que ta tudo ótimo e que eu…

me sinto uma alma penada. vagando, atormentada. parece que nenhum movimento é suficiente pra me tirar desse lugar mental que eu me enfiei. terá sido sozinha? terá sido com a ajuda de alguém? aceitar a tristeza, aceitar… deixa-la passar, como à felicidade, que eu tento segurar nas mãos por saber que ela uma hora esmaece….

acho que entendi seu ponto. sinto falta da nossa compatibilidade intelectual. dos nossos interesses em comum com liberdade pra transitarem um pelo outro. da tua amizade, teu companheirismo. exatos dois meses depois desse término e eu ainda to tentando entender como eu me sinto em relação a você. tentando parar de criar listas de motivos…

devorar, devorar, devorar

escrevo para não borrar a nitidez do que nenhuma câmera fotográfica registrou mas que minha mente jamais vai esquecer. a fogueira crepitando ajudou a aliviar o frio enquanto cantávamos sambas e pontos de macumba e outras nostalgias no melhor samhain da minha vida. a maior lição sobre transitoriedade, sobre fantasmas, sobre perceber os julgamentos que…

acho que eu voltaria com você. voltaria, sim, se a gente sentasse pra conversar e resolver nossas questões. se nos dispuséssemos a tocar esse projeto de vida que tivemos em comum. fico querendo que vc leia essas coisas que eu escrevo como quis que tu me buscasse tantas vezes, mas esse não é teu jeito…

23/4

21h02 Minha mente é completamente insana. Saber que eu e você estamos vendo Netflix no fim de um domingo chuvoso me faz pensar se eu não poderia ter tido um domingo menos insuportável se estivesse do teu lado. Ou se pelo menos não tivesse me impedido de saber notícias tuas. Se nós, enfim, ainda fôssemos….

21/4, 20h11

Uau! Essa me pegou de surpresa! Logo hoje, que voltei pra casa justamente refletindo sobre não ter sentido necessidade de escrever neste diário durante todo o dia – apesar de, obviamente, ter pensado em você algumas vezes – um ciúme danado resolveu me atravessar. Estava eu ouvindo uma música meio brega do Zeca Baleiro tentando…

20/abril, 18h32

“Sem você”, escrevi, no título deste diário de viagem. Sem você, supostamente, deveria ser a trajetória. Mas eis-me aqui, depois da conturbação tepeêmística de ontem, achando bem lindo esse negócio de estar viva, cheia de sono (rumo ao terceiro café-sem-açúcar do dia) ouvindo uma playlist de música clássica do Spotify que, só depois de cair…